Tag

Dogs

Navegando

Antes de começar o post e te dar todas as dicas para viajar de carro com o seu dog, vamos a uma pergunta: O seu cão gosta de viajar de carro? Se não, isso não é um problema. Existem cachorros que não se sentem confortáveis em passar tanto tempo dentro de um carro. Assim, sabendo disso você pode agir, e seguindo as dicas desse post, pode ter a melhor viagem de carro possível com o seu bichinho. E o melhor, sem gerar estresse pra ele.

Dicas para tirar fotos incríveis do seu dog, Nina Dog Aventuras
Selfie Nina Dog Aventuras

Quem tem animais de estimação, ama esses peludos e quer eternizar os momentos de fofura sabe como pode ser difícil tirar aquela foto perfeita, já que é quase impossível ficarem parados por muito tempo para um clique, mas que quando acontece é extremamente recompensador. Então, para te ajudar a fotografar o seu dog e toda a sua beleza, aqui vão algumas dicas para aperfeiçoar ao máximo a foto com dicas para tirar fotos incríveis do seu dog.

Seja paciente!

A primeira dica é destinada a você, que vai tirar a foto do seu dog. Ele vai se comportar como de costume, andando, correndo, se mexendo, olhando para diferentes cantos… Simplesmente porque o seu dog não faz a mínima ideia de que você está tentando fotografá-lo. Então, tenha paciência! Com um pouquinho de tempo e seguindo essas dicas, você vai ver surgir uma bela foto do seu amigo de quatro patas.

Deixe o seu dog à vontade, tranquilo

Se você tem uma foto perfeitamente ensaiada na sua cabeça, e já sabe até a pose que o seu dog vai estar, tenha calma. É bom já ter em mente a ideia e o estilo que você quer na foto, mas não deixe que o ideal te impeça de capturar uma foto mais real. Aproveite os movimentos do seu bichinho, deixe-o bem à vontade e tente fotografá-lo no tempo dele.

Lembre-se que as fotos ficam mais bonitas quando o cão está relaxado, com poses naturais e sendo ele mesmo. Torne o momento das fotografias uma grande brincadeira, faça o seu cão se sentir bem durante a atividade!

Escolha locais em que o seu dog ficará à vontade!

O ideal é escolher lugares onde o seu dog possa ficar confortável, de preferência onde ele possa ficar sem coleira, livre para correr e brincar, assim é possível capturar momentos espontâneos das brincadeiras, e até conseguir fotografar um “sorriso”.

Praias, parques, dentro de casa ou em áreas externas, o importante é que o bichinho se sinta livre, assim você vai tirar fotos excelentes.

Prenda a atenção do dog

Se houver algum brinquedo em particular, um som ou qualquer outra coisa peculiar que o seu cão adore, use para chamar a atenção dele! Existem aplicativos com sons que cachorros gostam, e até áudios que você pode reproduzir enquanto tira as fotos. Para conseguir que o seu dog olhe para a câmera, segure um brinquedo bem próximo com uma mão e fotografe com a outra. Quanto mais perto, melhor, assim o olhar do seu pet estará bem próximo ao ponto que você quer.

Tenha várias opções, pois uma só pode não funcionar. Lembre-se de levar os brinquedos do seu pet, água para deixa-lo hidratado e até petiscos, pode ser um truque bem simples, mas o fato é que os cães quase sempre olham para a comida. Vá fazendo carinho, alternando com brincadeiras, sem que ele fique estressado e dessa forma vai deixar seu bichinho tranquilo e conseguir aquela foto incrível.

Ah…Lembre-se sempre de manter o seu bichinho hidratado, pois eles têm mais pelos e costumam sentir calor mais rápido do que nós, então tenha muito cuidado e não se esqueça de dar água!

Configure a câmera para a foto dog

Para os iniciantes, pode ser interessante colocar a câmera em modo automático, ou checar se existe algum modo em que a velocidade do obturador seja maior, ou seja, em que a foto é tirada mais rápido. Em algumas câmeras e celulares tem os modos animais, esportes ou crianças, que podem servir bem.

Uma desvantagem de colocar uma velocidade maior de obturação é que a lente captura menos luz, então se certifique de estar em um ambiente iluminado, como na próxima dica.

Um bônus aqui é ter um bom editor de fotos, a imagem pode estar ótima e com uma luz perfeita, mas muitas vezes um pouquinho de edição ajuda. Vale ressaltar também que qualquer pelagem fica mais bonita quando ajustamos a nitidez da foto, só tome cuidado para não deixar a imagem muito granulada.

Luz e cenário são os seus aliados para a foto do dog!

Foto dog - Nina Dog na Chapada

O ideal para fotografar o seu cãozinho é sair pela manhã, bem cedinho. Assim você vai ter a melhor luz e menos calor, sendo menos cansativo para o seu pet. Em casa, use a luz ao seu favor. 

Se estiver dia, você pode fotografar o cão enquanto ele estiver de frente para as janelas, iluminando-o todo. Se for noite, não hesite em acender todas as luzes que forem influenciar na foto, e até usar um abajur como apoio. Prefira usar outras luzes ao flash do celular ou câmera, que pode incomodar os olhos sensíveis do seu dog.

Foto dog - Nina dog e unicórinio

Se você quiser mudar o fundo, qualquer tecido ou lençol já dá um toque bem interessante. Paredes pintadas, tapetes, gramados e paisagens são sempre boas pedidas. Organize o ambiente, tenha cuidado para não aparecer coisas que não deveriam, como objetos ou roupas espalhados pelo cômodo, ou lixo ao ar livre. Evite ambientes muito poluídos visualmente, quanto menos objetos, maior o destaque que o seu modelo vai receber!

PET FRIENDLY – TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER

Tente diferentes perspectivas para a sua foto dog!

Foto dog - nina dog na praia

Um ângulo que deixa as fotos interessantes é quando você posiciona a câmera na altura dos olhos do seu pet, assim o olhar dele fica em evidência e a foto fica bem interessante. Tente também tirar fotos de cima, de baixo, dos lados… Seja criativo! Deixe que a fotografia mostre os pequenos detalhes que fazem o seu cãozinho ser tão único!

Se necessário você pode se agachar para tirar as fotos do dog, ou até deitar no chão. Para evitar que as fotos fiquem tremidas, você pode apoiar os cotovelos em algum lugar que deixe o celular ou câmera bem estável para fotografar, já existem diversas câmeras e acessórios com boa estabilidade, recomendo uma Câmera de ação como a Go Pro. Comenta aqui embaixo se você conseguiu tirar a sua foto dog!

CLIQUE AQUI E CURTA AS AVENTURAS DE INSTAGRAM NINA DOG

DICAS PET FRIENDLY
Pousada Vila Aconchego

Pet Friendly é um desses termos que costuma ser lido ou ouvido em vários lugares. Seja onde as pessoas frequentam, no feed das redes sociais, nos sites e blogs relacionados a animais… Mas você sabe o que significa? O que você precisa saber sobre pet friendly?

A expressão vem do inglês e significa, numa tradução livre, “amigo dos animais” ou “amigável aos animais”. Costuma se referir a ambientes onde os animais e os seus donos são bem-vindos, possuindo uma estrutura adequada para recebê-los e proporcionar algum conforto. 

Ou seja, ideia é que os bichinhos possam não apenas entrar no local. Mas que fiquem bem acomodados durante a estadia ali, e sejam atendidos em suas necessidades, sem causar problemas ao cliente ou ao proprietário do local.

Alguns dados relacionados ao Pet Friendly

Pousada Vila Aconchego

Há alguns anos atrás eram encontradas apenas clínicas veterinárias e pet shops que recebiam animais, além dos parques e outros espaços ao ar livre. Aos poucos, alguns estabelecimentos, como cafés e restaurantes fora do país começaram a permitir a entrada e posteriormente a estadia dos pets; adotando o nome de Pet Friendly. A moda se disseminou pelos outros países, sendo que a facilidade da comunicação na internet auxiliou. De tal forma que não poderia ser diferente, chegou também aqui no Brasil. 

Hoje já existem supermercados, shoppings, lojas, hotéis e pousadas e os mais variados tipos de estabelecimentos que aceitam os bichinhos. Sendo que as grandes cidades, como São Paulo, é onde mais se encontra locais assim. Há ainda os que são exclusivamente para os animais, como hotéis, creches, locais para a prática de exercício, carros particulares, entre outros.

Pet Friendly estatisticamente falando

Um senso realizado pelo IBGE informa que cerca de 34% da população brasileira tenha pelo menos um animal de estimação em casa. Além disso, uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Consumidor) aponta que 61% dos brasileiros veem seus pets como um membro da família. E também sentem falta de estabelecimentos que permitam a permanência do animal enquanto os donos estão no local.

Conforme o IBGE, em 2019 o Brasil ultrapassou os 210 milhões de habitantes. Assim sendo, fazendo um cálculo baseado nos dados anteriores, existem pelo menos 43,5 milhões de pessoas no país que possuem um ou mais animais de estimação e sentem que poderia haver mais lugares Pet Friendly. 

Pousada Vila Aconchego

Não é a toa que o Brasil é, atualmente, o terceiro maior mercado de produtos e serviços destinados aos animais de estimação; movimentando mais de R$ 25 bi de acordo com o SEBRAE. Impressionante, não? Quer aproveitar essa onda e se beneficiar desse mercado crescente? Existem alguns fatores que podem auxiliar a tornar o seu estabelecimento mais inclusivo para os animais.

O Que Configura um Estabelecimento Pet Friendly?

Agora que os dados foram mostrados e o termo foi explicado, a ideia de tornar o negócio Pet Friendly provavelmente deve parecer tentadora. Mas antes disso, é importante avaliar se adequar o espaço é viável. Para começar, existe uma lista de itens que precisam estar à disposição para uso do dono do animal, por exemplo:

  • Recipientes com água e comida para o pet;
  • Saquinhos higiênicos e lixeiras, os sacos podem ser dispostos como os que vemos nos mercados;
  • Panos de limpeza e produtos desinfetantes, para uso do dono do animal caso haja alguma necessidade;
  • Sinalizadores nas portas de vidro (importante não só para os pets, como para as crianças);
  • Coleiras para usar nos animais;
  • Caminhas ou almofadas para descanso.

Além dos itens citados, é importante ter em mente alguns cuidados essenciais. 

Vigilância Sanitária

A vigilância sanitária é o primeiro deles! Uma vez que estabelecimentos que lidam com a alimentação humana devem seguir algumas regras estabelecidas pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Nesse caso específico, as normas requerem que o local possua um ponto com água corrente e um profissional que faça a limpeza do lugar. Sendo que essa pessoa não pode se envolver em atividades que se relacionem ao alimento.

Conforto Para Todos

Existem divergências na estrutura corpórea de um animal e de um ser humano. De modo que é comum a existência de hábitos e odores diferentes, além da perda de pelo. Para evitar alguns desconfortos, é essencial dispor de uma área com boa circulação de ar. Assim ninguém se incomoda quando o pet se coçar, se sacudir ou sentir calor e colocar a língua para fora. 

Pousada Vila Aconchego

 

Para ambientes com ar-condicionado, o ideal é que haja uma área externa ao local que possa receber os clientes com os seus dogs. Ou se o ar-condicionado for dispensável, janelas grandes e que possam ficar abertas por bastante tempo fazem o serviço muito bem. O ar fresco e a iluminação natural tornam o ambiente mais confortável para todos.

Isolamento Acústico

Essa dica é mais para as pessoas que não estão acompanhadas por pets. Se essa for a maior parte da sua clientela, talvez seja necessário colocar isolamento acústico no ambiente destinado a receber os animais. Uma vez que os latidos e outros possíveis sons podem causar algum estranhamento.

Limpeza e Manutenção do Ambiente

Primeiramente, escolha materiais que facilitem a limpeza e a manutenção, lembrando-se de todos os aspectos de receber um bichinho no seu estabelecimento. Revestimentos como madeira, laminado, carpete ou tapetes são difíceis de limpar e acumulam pelos e poeira com alguma facilidade.

Desse modo, podendo ser substituído por pisos como porcelanato, cerâmica, cimento queimado, vinílico ou antiderrapantes; opções bonitas, fáceis de limpar e que pode entrar em contato com água. Além disso para os amantes de pisos de madeira, há opções dentre os materiais citados que são bastante parecidos visualmente, sem perder a praticidade.

Além do piso, é interessante proteger os pés das mesas e cadeiras para que eles não sejam danificados com possíveis mordidas, arranhões ou sujeira. Nessa hora você pode ser criativo! Podendo imitar, por exemplo, os postes de arranhar que são usados para gatos. Não se esqueça de que essas proteções também precisam ser fáceis de limpar.

Deixar as Regras Claras

Independente do tipo de estabelecimento Pet Friendly adotado, ou até se não for. É imprescindível estipular os limites do ambiente e deixar tudo às claras para não haver falhas na comunicação. 

Caso o local ainda não possa receber os animais, coloque placas que indiquem essa condição. Se os animais forem permitidos apenas em uma área específica ou em todo o ambiente; ou mesmo se o animal precisa usar coleira, focinheira ou outros acessórios, sinalize também. Ademais, outro ponto importante é deixar o cliente ciente do que ele e o pet têm a disposição ali – ele precisa saber o que pode usar! 

Essas informações podem ser incluídas no cardápio e nas informações nos sites e redes sociais do estabelecimento; podendo ser reforçadas com placas no local. Assim como podem ser informadas verbalmente quando o cliente entrar no espaço (até para os que não estão acompanhados de animais). E estar presente em outros meios utilizados para a promoção do lugar.

Cativando Dogs e Donos

Além desses cuidados, a criatividade é essencial! 

Quanto mais dedicado e configurado para as necessidades das pessoas e dos pets; mais tempo o dono de animais de estimação vai poder passar no lugar. Uma vez que não precisa se preocupar em voltar para casa por causa do bichinho.

pET FRIENDLY - NINA DOG NA BEIRA DA PISCINA

Algumas ideias adicionais que já existem em alguns lugares são bebedouros que mantém a água sempre em movimento e fresquinha para o pet; áreas verdes e parques, que mantem os bichinhos mais soltos e entretidos; ou até cardápios específicos para os animais, podendo ser subdividido de acordo com a espécie, porte e/ou tipo de alimentação. Assim, vale salientar que existem algumas frutas e legumes que podem ser consumidos pelos animais e fazem bem a eles. De modo que a alimentação disponível no estabelecimento pode ir além de oferecer ração e petiscos para o pet.

Atenção, tutores!

Por fim, o dono / papais, antes de começar a sair com o seu dog deve conhecê-lo. Pois alguns animais não são tão sociáveis e podem ficar ansiosos ou agressivos em ambientes em que ele entre em contato com outras pessoas e animais.

Então todo cuidado é pouco para preservar não só os outros, mas também evitar gerar traumas no seu pet. Além disso, talvez o estabelecimento não deixe claro se aceita ou não animais. Nesse caso, é importante entrar em contato e se informar das regras antes de aparecer lá com o seu bichinho!

Antes de viajar aprenda arrumar a mala do seu dog.

http://viagemcombeth.com/2018/12/preparando-a-mala-do-seu-pet-para-viagem/

AMIGO NÃO SE COMPRA, ADOTE UM!

Nas ultimas décadas a interação entre pessoa e pet tem se modificado bastante mundo a fora, não só num nível legislativo, mas no modo como essa relação acontece hoje é comum ver animais considerados como um membro da família e companheiros para todas as horas, podendo assim levar o pet em diversos lugares junto.

5 DICAS PARA VIAJAR DE CARRO COM SEU DOG

Ademais, como o mercado acompanha as tendências, as empresas cada vez mais se adequam a esse estilo de vida, com a criação de diversos produtos. Por exemplo tem-se mimos e apetrechos para sair com o bichinho, e até estabelecimentos próprios para recebê-los, como hotéis e parquinhos.

Com todas essas modificações surgem também novas nomenclaturas e palavras, e algo que se tornou bastante comum foi o termo do inglês “pet friendly”, mas você sabe o que isso significa?

Pousada Vila Aconchego

Traduzindo ao pé da letra, dizer que tal lugar é pet friendly significa dizer que o lugar é amigo dos animais. Ou seja, é o que a expressão quer passar, que os animais com seus tutores são bem-vindos ali.

No Brasil essa cultura tem começado a ser aceita pelos estabelecimentos, e a condição para a permanência do pet no local é se ele consegue se comportar nesses lugares, com um temperamento tranquilo, não latir em excesso quando passar alguma pessoa ou animal, não pular demais, não ficar pedindo comida em outras mesas… enfim, que o bichinho consiga ter uma convivência tranquila no lugar, isso pode ser ensinado pelo tutor desde filhote, que é mais fácil, mas os hábitos de um animal adulto também podem ser modificados para que ele consiga se comportar socialmente.

PET: NINA DOG DE VESTIDO

Minha dog, a Nina, já viajou e ficou hospedada comigo algumas vezes. Assim como frequenta restaurantes e lojas tranquilamente, alguns inclusive tem uma parte pet friendly com parquinho para cachorros, é parecido com um espaço para crianças. Vale lembrar de levar a carteirinha de vacinação em dia, a guia e sacolinhas para recolher dejetos.

ROTEIRO PET FRIENDLY

ROTEIRO PET FRIENDLY: NINA DOG

Diversas cidades já existem opções de lugares que aceitam seu pet

Outra prova de que funciona são as várias cidades onde existem várias opções de lugares que aceitam animais. Em Salvador, por exemplo, tem diversos estabelecimentos pet friendly, como shoppings e restaurantes.

Os shoppings são: o Paralela, com uma área gratuita com brinquedos e bebedouros; o Barra, desde que sejam de até 40 cm, com coleira e fora da praça de alimentação e área gourmet; no shopping da Bahia cães de até 60 cm, mas gatos, hamsters, chinchilas, aves e outros animais devem estar em bolsas de transporte e carrinhos de passeio fechados, e não podem ir ao cinema, sanitários, praça de alimentação, bancos e farmácias, exceto cães-guias; já o Salvador Shopping, o Salvador Norte Shopping e o shopping Passeio Itaigara só permitem animais em coleiras, bolsas ou no colo.

Os restaurantes geralmente aceitam animais na área externa ou no deck, no Rio Vermelho tem o Nozu, com uma brinquedoteca canina, o Pasta em Casa, o Boteco da França, a hamburgueria Muu; na Pituba tem o Nonna Confeitaria e Café, o Muu, o Bravo Burger e Beer; e na Barra, o Bravo Burger e Beer, e o Coentro Gastronomia Afetiva oferece água e biscoitinho para os pets.

Apesar de toda a popularidade dessa cultura ainda é necessário que o tutor do pet faça uma pesquisa antes de sair, consultando no site, redes sociais ou mesmo ligando para o lugar para se informar sobre as regras.

Lembrando sempre onde for proibido a entrada de cães ou permitido, tem que existir placas no estabelecimento como aviso.

NOS SIGA NO INSTAGRAM: BETH CRISKO | NINA DOG

Saiba Tudo Sobre Leis e Cuidados
Nina Dog levar o dog na praia

Todo mundo sabe que eu e Nina amamos uma praia. Mas é preciso estar por dentro das regras e leis municipais de cada cidade, cuidados dos dogs a exposição ao sol, e sal do mar. Nesse post darei algumas dicas para dogs em relação a praias, as leis que precisamos observar e os cuidados principais para você levar seu dog e curtir um passeio maravilhoso e sem dor de cabeça.

5 DICAS PARA VIAJAR DE CARRO COM SEU DOG

Posso levar meu dog?

Bem…tudo depende, e antes de qualquer coisa é preciso saber que a praia esconde alguns perigos para a saúde do seu pet, como otites, queimaduras, desidratação, ingestão de restos de comida ou animais próprios da praia (peixes, crustáceos, etc.). Mas esses riscos podem ser evitados com os cuidados certos. Outra coisa importante são as leis, que variam não só de acordo com o município, mas também de praia para praia. A principal dica aqui é: Pesquise! Antes de viajar com seu cão, procure saber sobre as leis locais e regras das praias do município na qual você está ou vai viajar, faça um planejamento que inclua as necessidades do pet, pois se você levar o cachorro para uma praia onde a presença dele não é permitida, você pode receber uma multa.

Leis no Brasil quanto a circulação de animais em praias

Nina Dog levar o dog na praia

Aqui no Brasil a permissão ou proibição dos cães em praias não é regulamentada numa lei federal, então cada município faz suas próprias leis quanto a isso. A maioria proíbe, mas essa questão gera muita controvérsia, uma vez que as próprias autoridades relacionadas aos animais reconhecem que a praia é um espaço natural e público, logo os animais tem tanto direito de frequentar quanto nós.

Um dos argumentos usados para essa proibição, em Salvador, por exemplo, é relacionado à saúde pública e humana, e faz parte de uma lei criada em 1999 proibindo animais em praias, parques e praças. Como a relação entre cachorro e humano mudou bastante nesses 20 anos, em Salvador já existe um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), de 2004, assinado por Ongs de proteção animal e o Ministério Público, que permite o trânsito de animais domésticos desde que tomados os devidos cuidados pelos tutores, e de animais de rua acaba sendo mais complicado, porque os órgãos públicos deveriam agir como tutores e cuidar da vacinação, vermifugação, castração e outros cuidados.

Alguns exemplos

No Rio Grande do Sul, os municípios de Torres e Tramandaí proíbem a circulação dos pets, com risco de multa e de apreensão do animal :(. Já no estado de São Paulo, também é proibido em Santos, no Guarujá e em São Vicente, a não ser que se consiga uma autorização prévia do órgão responsável. No Balneário Camboriú, SC, é permitida apenas a presença de cães-guias nas praias, mas em Florianópolis tem sido discutida a demarcação de lugares “pet friendly”, que são lugares onde os animais são bem-vindos e tem uma estrutura apropriada para eles.

Enquanto essa demarcação não for feita a nível nacional, o que precisa ser feito é o que eu falei antes, pesquisar bem antes de viajar, e quando for levar o pet, tomar os devidos cuidados com a praia, as pessoas e com o animal em si.

Cuidados ao levar o dog na praia

Nina Dog levar o dog na praia

Apesar de ser liberado pela maioria dos veterinários, levar o pet para a praia exige muitos cuidados. Então se você não puder cumprir com todos eles, talvez seja melhor não levar. Isso porque a combo calor excessivo + sol + umidade + sal + areia pode ser muito prejudicial ao cachorro. Asim, podendo causar lesões na pele, coceira, otites, danos aos olhos, como conjuntivite, e doenças transmitidas por mosquitos ou por outros animais não vermifugados. Além de precisar conhecer bem o dog; (porque se ele não for dócil ou não te obedecer, é melhor não arriscar levar o dog na praia).

As dicas para evitar danos ao pet são as seguintes:

  1. Fazer um check-up. Para ter certeza de que o dog vai e volta bem da viagem. Além disso, não se esqueça de colocar as vacinas em dia, vermifugar e levar a documentação para comprovar o estado de saúde do cão durante a viagem, caso necessário.
  2. Identificar o cachorro com uma coleira que tenha seu contato, isso é muito importante. Também é bom usar uma coleira com peitoral. Pois em um caso de emergência você não vai machucar o cão se precisar puxar da água, por exemplo.
  3. Levar saquinhos para recolher as fezes do animal (e usar rsrs!).
  4. Cuidados com a água salgada e restos de comidas, plantas venenosas, animais, etc. Pois a ingestão pode provocar vômito, intoxicação e até problemas mais graves.
  5. Sombra e água fresca. Não apenas você, o seu dog precisa se manter hidratado e disposto. E para isso, é essencial ter um espaço em que ele possa descansar, de preferencia na sombra, além de levar bastante água para ele.
  6. Protetor solar: se não tiver jeito, pode usar o de humanos. Mas o próprio para cachorros é melhor, pois ele é mais “grosso” e mais amargo que o nosso. Então evita que o cão tire a camada com lambidas. Passe bastante, principalmente nas áreas mais sensíveis, como focinho e orelhas, e fique atento ao rótulo para a reaplicação. No fim do dia dê um banho no pet para remover todo o sal e areia.
  7. Não force o seu pet na água, pode ser que ele não queira entrar na água e nadar. Você pode estimulá-lo entrando na água e convidando o pet, mas não o force em qualquer hipótese, ou você pode acabar traumatizando o bichinho.
Nina Dog levar o dog na praia

Levar o dog na praia: Atenção às raças!

Ainda falando sobre água, algum animal não tem estrutura para nadar, então tenha muita atenção. Cães com o focinho curto, como o Buldogue Inglês, Buldogue Francês, Boxer, Pequinês, etc., não conseguem manter a cabeça fora da água por muito tempo e correm riscos de afogamento se não estiverem usando um colete salva-vidas.

Já os cães com pernas curtas, como o Pug, Basset, Havanês, Pequinês, etc., podem ter dificuldades para o exercício físico do nado por muito tempo. E os cães com orelhas caídas, como o Beagle, Basset, Cocker Spaniel, etc., tem uma tendência bem maior a acumular umidade nas orelhas e desenvolver uma otite. Por isso, talvez seja melhor que os dogs com essa característica não entrem na água.

E para todas as raças, nunca deixe o seu cão sozinho na água. Pois mesmo que ele saiba nadar, pode ter uma corrente forte. Ou até mesmo o contato do cão, seja com outras pessoas ou animais, tem que ser observado.

“Felizes os cães, que pelo faro descobrem os amigos” – Machado de Assis

PARA MAIS DICAS: SIGA O INSTAGRAM DA NINA DOG!

@ninadogaventuras

Se precaver antes da viagem é a melhor maneira de evitar que seu amigo passe estresse em um ambiente desconhecido, então, sempre tente fazê-lo se sentir em casa; para isso, precisamos preparar bem a mala!

Mala do dog – Segurança

Além de todos os documentos obrigatórios para a viagem (Confira aqui), precisa levar coleira de identificação com seu número e de preferência local em que está hospedado, para caso ele se perca; Kit de primeiros socorros; telefone de seu veterinário e de uma clínica no local em que estiver viajando; a coleira e a guia.

Alimentação

Sempre leve reservas de ração que dure a viagem inteira. Pois, caso você não encontre a mesma marca na viagem, mudar a refeição pode causar mal-estar no seu cão.

Saúde

Antes de viajar, é obrigatório a liberação do veterinário e vacinas em dias (saiba mais). Por isso, aproveite que já tem que ir no veterinário e verifique se é necessário receitas para remédios de enjoo e dor, para não causar nenhum incomodo para seu animalzinho. E não se esqueça os objetos de higiene pessoal do seu pet!

Diversão e conforto na mala do dog

É necessário sempre deixar seu companheiro confortável na viagem. Então sempre leve na mala objetos que ele usa no dia a dia para fazê-lo se sentir em casa. Assim, caminha, cobertores, brinquedos, comedouro, bebedouro e mais o que mais seu DOG tiver acostumado.

Boa viagem!

DICAS DE ONDE DEIXAR SEU DOG QUANDO FOR VIAJAR

Uma das dúvidas mais comuns para quem possui PET e precisa fazer alguma viagem é esta: onde devo deixá-lo? Creio que hoje essa dúvida, que também é angústia, pode ser resolvida com facilidade, principalmente pelo aumento das ofertas de serviços e empresas dedicadas aos pets. Então se liga, pois aqui vão algumas dicas para você!

Todos nós, pais e mães de pets, mantemos, certamente com razão, uma preocupação no que se refere à segurança, ao cuidado, ao carinho e à alimentação deles. Aqui, portanto, deixarei registradas duas opções super válidas para você que deseja viajar sem abrir mão de oferecer conforto ao seu pet. Para ampliar as possibilidades, há a dica de um site/aplicativo confiável que funciona em todo o Brasil.

DICAS PARA O PET FICAR EM CASA

Sim, seu pet pode ficar em casa! No entanto, é preciso seguir algumas recomendações para que ele tenha conforto, carinho e segurança. Em primeiro lugar, você pode solicitar os cuidados a uma pessoa familiar.

Essa pessoa deverá ir até a sua casa em horários regulares para alimentar, abastecer o recipiente da água, brincar com o pet e levá-lo a um passei. Neste caso, a necessidade é específica para os cães.

Em segundo lugar, a contratação de um profissional (pet sitter) que exerça as mesmas funções anteriores é também indicada, porém, as informações do profissional precisam ser checadas com cuidado. Nessas duas possibilidades, é fundamental que os acompanhantes mantenham os “costumes” e “horários” de seu pet.

Além disso, você pode optar ainda pela hospedagem em casa de alguém familiar ou hotel para animal de estimação. Nestes dois casos, verifique a segurança dos locais e informe as pessoas responsáveis sobre aspectos da rotina de seu pet.

Se possível, leve o pet até o local desejado para que ele se acostume; além disso, não se esqueça dos brinquedos, da caminha e de outros objetos do cotidiano de seu baby pet.

DICAS PARA O PET IR JUNTO COM VOCÊ

Se você prefere levar seu pet, também há alternativas seguras para ele e para você. Inicialmente, identifique seu pet. Registre o nome dele e um telefone para contato, decisivo aos casos extremos como fuga ou perda. Para pegar a estrada, a melhor sugestão é transportá-lo em um recipiente adequado: uma caixa ou cesto com o auxílio do cinto de segurança. Certifique-se de que ele está seguro e confortável e, ao longo do caminho, faça pausas estratégicas para que o pet beba água, alimente-se etc. Para viagens de avião, um veterinário deve ser procurado com antecedência com objetivo de obter desse profissional informações básicas sobre riscos, segurança e comportamento animal em situações de possível estresse. Além disso, certifique-se de que a empresa selecionada e o local para onde você vai aceitam pets.

APRENDA A TIRAR FOTOS INCRÍVEIS DO SEU DOG

HOSPEDAGEM

Todas essas recomendações são extremamente fundamentais para a felicidade de seu bichinho. Se você deseja mais facilidade, consulte www.doghero.com.br ou baixe o aplicativo DogHero.

Esse site/aplicativo agrupa um grande número de pessoas que cuidam de pets em todo o Brasil. Todas são rigorosamente selecionadas, o que confere credibilidade aos “heróis anfitriões” – expressão dada àqueles que cuidam dos pets.

Basta consultar os comentários de quem já usou os serviços da DogHero e, em seguida, preencher os espaços “Local”, “Quando” e “Tamanho do pet” para saber se em sua cidade há algum anfitrião.

Havendo, o contato será formalizado e você poderá viajar tranquilo, sabendo que seu pet estará em boas mãos. Detalhe! O preço é baixinho!

Lambeijos e até a próxima viagem!

instagram: @ninadogaventuras

Nina Dog VIAJAR COM SEU DOG: O TRANSPORTE

Você vai viajar e não quer deixar seu Dog com outras pessoas (ou local especializado)? Quer que seu companheiro esteja com você na viagem? Então, confira esse post e aprenda o que precisa para levar seu animalzinho sem prejudica-lo!

Antes de tudo, pense no bem-estar do seu Dog. Se acaso for viajar de carro, tenha certeza que ele se sente confortável em um carro, ônibus ou avião. Primeiramente leve seu dog no veterinário para saber se ele está em condições de viajar, além de ser obrigatório ter os documentos de vacinação em dia e um atestado do veterinário em ônibus e avião. Em alguns casos, é necessário dar calmante para o dog.

7 DICAS PARA VIAJAR MUITO BARATO PELO BRASIL

Viajar de carro com o dog

7 DICAS PARA MULHERES VIAJANTES DE CARRO

Para animais menores de 10 kg, existem assentos próprios para os dogs, que os deixam em segurança e confortáveis. Para cachorros maiores a este peso existe o cinto de segurança para cães. Nunca deve levar o animal solto no carro, pois além do perigo de acidente, pode levar multa e perder pontos na carteira, por ser uma infração leve.

Antes de mais nada, saiba que transportar o seu dog na parte de fora do veículo, além de ser extremamente perigoso para o seu companheirinho, você pode levar multa ainda maior e 5 pontos na carteira por ser uma infração grave.

5 DICAS PARA VIAJAR DE CARRO COM SEU DOG

Viajar de ônibus com o dog

Antes de comprar a passagem, é necessário verificar se a empresa de transporte aceita animais e se tem que pagar taxa extra por eles, além dos seus regulamentos, que variam de empresa para empresa, assim como no avião. Aliás, o que todas as empresas tem em comum é que é necessário apresentar o atestado do veterinário com todos os documentos de vacinação do animalzinho em dias.

Algumas empresas, obrigam que o animal seja sedado, então verifique sempre os regulamentos, afinal, ninguém gosta de sedar seu companheiro! E procure saber se ainda tem vaga para seu dog, pois, muitas empresas tem um número limite de transporte de animais em cada ônibus.

Nas empresas que permitem o transporte, o dog que tem estar numa caixa de transporte, algumas permitem que leve o animal na caixa no colo, outras exigem comprar a passagem para o mesmo e leva-lo no assento ao lado.

Além disso, para melhor conforto do seu cãozinho, procure uma caixa de tamanho ideal para ele, e o deixe brincar e conhecer a caixa antes do transporte, para se familiarizar e não ficar com medo durante a viagem.

APRENDA A TIRAR FOTOS INCRÍVEIS DO SEU DOG

Viajar de avião

Assim como no ônibus, cada companhia aérea tem sua própria política de transporte de dogs, e número limitado de animais em um voo. Portanto, é necessário entrar em contato com a empresa para reservar o espaço para seu animalzinho, além dos documentos de saúde do dog.

O seu dog tem que ser transportado dentro da caixa, mas, dependendo da companhia aérea pode ir ao seu lado na poltrona, caso o peso do animal e da caixa não ultrapasse 10kg ou no compartimento de cargas.

Para voos internacionais, verifique bem as normas da empresa, pois a taxa e documentações necessárias podem ser diferentes, além de que talvez a empresa não leve para determinados países.

A fim de evitar erros, leve as especificações da companhia aérea para medir e comparar as dimensões na loja quando for comprar a caixa de transporte.

Além disso, informe-se das regras e valores de transporte de animais da companhia aérea antes de comprar a passagem.

ONDE POSSO LEVAR MEU PET?

Cães-guia

O cães-guia podem viajar sem qualquer custo adicional, assegurado pela Lei nº. 11.126/2005 necessário apenas a apresentação da documentação médica. Em caso de viajar de avião, verifique qual a idade mínima do cachorro que cada companhia área aceita.

Cães de assistência emocional

Dependendo do tamanho do cão, pode viajar junto na cabine sem estar na caixa transportadora. Deve apresentar os documentos médicos, cartão de identificação do EASN (Emotion Spport Animal) e a plaqueta de identificação.

Verifique sempre as empresas para escolher qual a que melhor atende suas necessidades para transporte do seu cão de apoio emocional. E em caso o seu animal ser muito grande, o ideal seria comprar uma passagem para ele, para maior conforto.

Viajar com o dog na mochila canguru

Beth e Nina Dog: Viajar com o dog na mochila canguru

Assim como eu, a NINA DOG é muito aventureira e gosta de estar presente nas viagens, até mesmo nas trilhas! Mas, como algumas trilhas e lugares são complicados para deixa-la no chão, eu a carrego na mochila canguru, que a deixa confortável, segura e o tempo todo perto de mim.

DICA:

  • Primeiramente, esteja com as vacinas de seu dog em dia;
  • Apresentar atestado veterinário;
  • Avisar a companhia aérea com antecedência de que viajará com seu animal;
  • Trasportar seu animal em uma caixa de transporte resistente, com ventilação, que irá acomodar seu dog com certa folga exigidas pelas cias aéreas.
  • Não dê comida durante a viagem: isso causa enjoo e altera o sistema digestivo.
  • Leve brinquedos do seu dog  para que ele se sinta em casa. Em caso das caixas de transporte, coloque o próprio cobertor do animal como forro para reforçar a ideia da casa.
  • Um produto que pode facilitar a sua vida são as fraldas veterinárias, que podem evitar um desastre na viagem.
  • Ande bastante com seu dog antes da viagem para ele fazer suas necessidades e gastar sua energia.

NOS SIGA NO INSTAGRAM: BETH CRISKO | NINA DOG

BOA VIAGEM!